Livros de colorir superaram Jojo Moyes em 2016

‘Como eu era antes de você’, de Jojo Moyes, primeiro colocado na lista de 2016, vendeu menos da metade do que vendeu ‘Jardim secreto’, primeiro colocado de 2015

Uma das frases mais repetidas por quem acompanha o mercado editorial brasileiro em 2016 foi: “não houve, nesse ano, nenhum livro que se comparasse ao fenômeno de vendas que foram os livros de colorir em 2015”. E os números da lista de mais vendidos comprovam isso. Em 2015, só Jardim secreto (Sextante) vendeu 719.626 exemplares. Seu irmão, Floresta encantada (Sextante), vendeu outros 485.222. Números bem superiores aos primeiros colocados de 2016Como eu era antes de você (Intrínseca), de Jojo Moyes, que vendeu 352.330, e Ruah (Principium / Globo), do padre Marcelo Rossi, com 228.232 unidades vendidas. Se somar as vendas desses dois primeiros lugares não chega nem perto do número vendido por Jardim secreto no ano anterior.

Harry Potter e a criança amaldiçoada (Rocco) – lançado já na reta final do ano, mas ainda assim um dos destaques de vendas – encerrou o ano na quinta posição, com 170.130 exemplares vendidos.

Os youtubers, que tanto deram o que falar em 2016, nem aparecem nas cinco primeiras posições da lista geral anual, mas fizeram a festa na lista infantojuvenil. Dos 20 títulos da lista, sete são deles.

A lista de não ficção encerrou o ano liderada por Muito mais que 5inco minutos (Paralela / Grupo Companhia das Letras), de Kéfera Buchman, que vendeu 104.548 exemplares. O segundo lugar é ocupado pelo clássico O diário de Anne Frank (Record), com 95.315, e a terceira posição é ocupado por Lava-Jato (Primeira Pessoa / Sextante), que vendeu 80.931 unidades.

Na lista anual de ficçãoGrey (Intrínseca – 4º lugar, com 99.008 exemplares vendidos), o quarto livro da série 50 tons de cinza, divide espaço com Todos os contos de Clarice Lispector (Rocco – 11º / 27.814) e o Prêmio Pulitzer de 2015 Toda luz que não podemos ver (Intrínseca – 13º / 22.042), de Anthony Doerr.

Em negócios, a Sextante dominou geral em 2016. Emplacou os cinco primeiros títulos: Os segredos da mente milionária, com 46.456 unidades vendidas; Geração de valor 2 (35.410); O monge e o executivo (32.536); Sonho grande (30.233) e Geração de valor (28.645).

Na lista de autoajuda, o destaque vai para A mágica da arrumação (Sextante), de Mary Kondo, que vendeu 76.235 e ficou na 5ª posição da lista anual. Perdendo só para grandes nomes do segmento, como o padre Marcelo Rossi, que emplacou Ruah em primeiro e Philia, em quarto; Augusto Cury e o seu Ansiedade (Saraiva), que ficou na segunda posição, e O poder da ação (Gente), de Paulo Vieira, que ocupa a terceira colocação.

O ranking geral anual das editoras é dominado pela Nobel, que emplacou 95 títulos. Na sequência, aparecem a Sextante, com 84; o Grupo Companhia das Letras, com 79; o Grupo Editorial Record, com 68, e a Intrínseca, com 43.

 

Fonte: PublishNews

Uma dedicatória (de Carlos Drummond de Andrade) a um amigo

Dedicatória que Carlos Drummond de Andrade fez ao presentear o amigo Paulo Mendes Campos.

“Meu caro Paulo,

Não é preciso esperar a vinda do Fernando ou do Otto (o primeiro terminava o filme que andava fazendo, e o segundo jamais dá as caras) para vir aqui em casa afim de levarmos um bom e tão atrasado papo. Venha quando quiser ou puder que a casa e os corações são seus.

Abraço amigo de seu velho, Carlos.

Rio, setembro de 73
PS: vai junto um livro de que recebi alguns exemplares e que, pondo a vergonha de lado, passo às suas mãos.”

 

Texto extraído do artigo:  A biblioteca é o segredo da obra do autor – por Afonso Borges em O GLOBO.

Autêntica investe na internacionalização

Grupo 12 títulos para 14 territórios nesse ano. Um dos destaques é ‘Um ano inesquecível’, escrito por Bruna Vieira, Paula Pimenta, Babi Dewet e Thalita Rebouças vendido para a portuguesa Presença


Desde 2015, o Grupo Autêntica tem investido forte na internacionalização de seu catálogo. No balanço de 2016, essa investida mostrou-se exitosa. Gutenberg e Nemo, respectivamente selos de YA e de HQ do grupo, venderam, para mais de 14 línguas, os direitos de tradução e publicação de nove títulos nacionais. As obras serão publicadas em editoras de grande porte como a Penguim Random House.

Mondadori Electa e S. Fischer Verlag GmbH. A Nemo ganhou destaque internacional com os autores de livros baseados em jogos como Minecraft e Pokémon Go. A espada de Herobrine e A vingança de Herobrine, de Jim Anotsu, foram vendidos para mais de seis línguas com tiragens iniciais de 10 mil exemplares. Já O último mestre Pokémon, de Carol Christo, conquistou mais de quatro línguas. Ainda da Nemo, Quando tudo começou – Bruna Vieira em quadrinhos, título da best-seller Bruna Vieira em parceria com a premiada quadrinista Lu Cafaggi, ganhou a publicação na língua francesa pela editora Sarbacane. O grupo ainda vendeu outros títulos como Um ano inesquecível, de Paula Pimenta, Bruna Vieira (na foto ao lado), Babi Dewet e Thalita Rebouças, para a portuguesa Presença; Craftando, de Alex Diochon, para a francesa Jungle!; e a série Shakespeare em quadrinhos, para a russa Eksmo.

 

Fonte: PublishNews