Contos


Vinte pratas
(Editora Os Dez Melhores)

TRECHO: (…) Phillip Taylor era uma espécie de
agente literário para mim. Vivia em contato com os figurões
das grandes editoras que, geralmente, não davam a mínima para os meus textos.
“Esse cara é um escroto que só escreve porcaria”, disse, certa vez, um editor sobre um dos meus contos. (…)

 

 

Aquilo
(Inédito)

TRECHO: (…) Eu havia tido uma alucinação.
Só podia ter sido isso
. Olhei novamente para o teto e o
reflexo da minha imagem pálida (de cabeça para baixo)
não movia um único músculo. Só uma porra de alucinação, pensei. Sorri. (…)

 

 

O Silêncio do Vento
(Inédito)

TRECHO: (…) — Esses caras são uns cretinos que não ligam
para ninguém — disse ele, encerrando a conversa com uma moça com cara de
boneca japonesa, que segurava o microfone (onde havia o emblema da TV local) em uma das mãos.

 

 

A Rotina dos Caras
(Editora Oito e Meio)

TRECHO: (…) Os dois ocupantes do banco de trás também estão entusiasmados.
Falam do churrasco da sexta à noite, da gostosa — colega de trabalho — que todo mundo
está querendo pegar, do pen drive com mais de trezentas músicas sertaneja e até do
financiamento do carro novo — um Nissan HB20 sedam — que um deles fez na segunda feira passada.
— Tá podendo, hein cara? — pergunta o parceiro.
— Estou é me fodendo, rapaz — respondeu o outro, num tom sorridente.  — Agora vou ter que
arrumar um trampo extra pra poder pagar a porra das parcelas.

 

 

Gigantes
(Inédito)

TRECHO: (…) As coisas meio que acontecerem rápido demais.
Tudo ao mesmo tempo. Por isso, quando Emily se deu conta, a vida já estava
assim, e as coisas tinham desandado. Tudo parecia tão irreversível,
que chegara ao ponto de parecer normal. Normal? Talvez fosse mesmo, mas Emily duvidava disso.
— Não fique tão impressionada, querida — a velha disse, debruçada sobre a vítima,
enquanto voltava o olhar para o pescoço que acabara de degolar.

 

***

Aguarde…
Novos contos em breve 😉